As pessoas adultas não são os únicos indivíduos atingidos pelo colesterol alto. As crianças ainda podem ter altos níveis de colesterol, o que tem a tendência de proporcionar problemas de saúde, especialmente enfermidade do coração. O colesterol alto acarreta a acumulação de placas nas paredes arteriais que distribuem sangue ao coração e a outros órgãos. A placa pode diminuir todas artérias e obstruir o fluxo de sangue ao coração, causando problemas cardíacos e acidentes vasculares cerebrais.

O que provoca colesterol elevado em crianças?

Os níveis de colesterol de uma criança encontram-se ligados, especialmente, a 3 indicadores de risco:
Hereditariedade (transmitida de pai para filho), dieta e excesso de peso.
Na maioria das situações, crianças com colesterol elevado têm pais que também têm colesterol elevado.

Como o colesterol alto é constatado em crianças?

colesterol-alto-criancas Especialistas conseguem averiguar o colesterol em crianças em idade escolar com um exame de sangue nada complexo. Efetuar este exame é significativo caso exista um quadro familiar forte de doença do coração ou se um dos pais da criança tiver colesterol alto. Os resultados do exame sanguíneo vão revelar se o colesterol de uma criança é excessivamente alto. A Academia Americana de Pediatria sugere que todas as crianças sejam examinadas uma vez entre nove e onze anos e outra vez, após desenvolvidos, entre dezessete e vinte e um anos.
O acompanhamento seletivo é sugerido para crianças com antepassados de colesterol alto ou gorduras no sangue, ou antecedentes de enfermidade cardiovascular prematura. O rastreio ainda é recomendado em crianças de dois a oito anos que possuem um índice de massa corporal (IMC) superior ao percentual 95 e em crianças mais velhas (idades entre 12 e 16) com IMC superior em relação ao percentual 85 e que têm outros pontos de perigo como a exposição à fumaça dos cigarros, diabetes ou pressão alta.

Colesterol e a idade das crianças

Para as crianças com excesso de peso ou obesidade e que possuem um elevado nível de gordura no sangue ou baixo nível de “bom” colesterol HDL, o controle de peso é o principal tratamento. Isso indica que a criança precisará realizar uma dieta aperfeiçoada, com acompanhamento de uma nutricionista e aumento da prática de exercícios físicos.
Para crianças de 10 anos ou mais com coeficientes de colesterol extremamente altos (ou coeficientes elevados com histórico na família de enfermidade cardíaca precoce), o tratamento com medicamentos tem a necessidade de ser utilizado.

De que modo o colesterol alto em crianças é tratado?

A maneira mais indicada de cuidar do colesterol em crianças é com um programa de alimentação equilibrada e de exercício que envolva todos os membros da família. As dietas têm que conter a ingestão de alimentos com baixa gordura total, gordura saturada, gordura trans e colesterol. A quantia de gordura total que uma criança consome deve ser trinta por cento ou menos do total de calorias diárias ingeridas. Esta sugestão NÃO aplica-se a crianças com menos de dois anos.
A gordura saturada tem a necessidade de ser mantida em menos de 10% das calorias diárias totais, enquanto a gordura trans tem necessidade de ser evitada. Para crianças do grupo de alto risco, a gordura saturada necessita ser restrita a sete por cento do total de calorias. Selecione uma variedade de alimentos a fim de que seu filho possa obter todos os nutrientes que ele precisa.

Atividades físicas auxiliam a baixar o colesterol

A atividade física aeróbica usual, como ciclismo, corrida, caminhada e natação, pode ajudar a elevar os coeficientes de HDL (o “bom” colesterol) e reduzir a ameaça de doença cardíaca nas crianças.
Caso a alimentação e os exercícios não reduzirem o nível de colesterol de seu filho, ele pode necessitar tomar medicamentos, entretanto para tal fim é crucial prescrição médica.
O nível de colesterol de uma criança tem que ser revisto e monitorado depois que as mudanças na dieta forem executadas ou o tratamento iniciado, conforme aconselhado pelos médicos.

Tudo em relação ao colesterol elevado em crianças
Avalie esta postagem
Categorias: Saúde da Criança

Deixe uma resposta