O inchaço das pernas normalmente acontece devido a uma concentração inabitual de líquidos nos tecidos dos membros da extremidade de baixo do corpo. O termo científico para o inchaço das pernas motivado por exagero de fluido nos tecidos é edema periférico.
As razões comuns de inchaço das pernas incluem retenção líquida, celulite, deficiência cardiovascular, deficiência venosa, consequências da gestação e efeitos colaterais de remédios.
As razões menos habituais do inchaço das pernas são coágulos sanguíneos na perna (trombose venosa profunda), inflamação parasitária, obstrução do sistema linfático, doenças de fígado e cirrose, enfermidade renal e síndrome nefrótica, tornozelo quebrado, entre outras doenças. No momento em que o inchaço das pernas aparece por causas inexplicáveis, é relatado como edema idiopático.

Indícios dos inchaços da perna

inchaco-nas-pernas Os indícios que são capazes de ser conectados ao inchaço das pernas incluem dores na perna, dormência, vermelhidão, formigamento, erupção na pele, falta de ar e ulceração da pele. Seus sintomas dependerão da quantidade de edema que você tem e de onde você tem.
Edema em uma pequena região de infecção ou inflamação (como uma mordida de inseto) pode não causar nenhum vestígio. Mesmo assim, uma ampla reação alérgica (como uma picada de abelha) tem probabilidade de ocasionar edema em todo o seu braço, que é capaz de trazer pele, dor e movimento restringido.
Alergias com alimentos e reações alérgicas a medicamentos podem ocasionar inchaço na língua ou na garganta. Isto pode ser desastroso, se interferir com sua respiração.
O edema das pernas é capaz de fazer com que as pernas fiquem pesadas. Isso é capaz de afetar o caminhar. O edema severo das pernas é capaz de interferir no fluxo de sangue, causando úlceras na pele.
O edema pulmonar causa falta de ar e, vez ou outra, baixos níveis de oxigênio no sangue. Certas pessoas com edema pulmonar podem ter tosse.

Conceito de edema e casos ligados ao inchaço

inchaco-nas-pernas O edema é um inchaço, no geral das pernas, pés e/ou mãos, por causa do ajuntamento de líquidos nos tecidos. O edema que acontece em enfermidades cardíacas, fígado e rim é acarretado, em especial, pela concentração de sal, que provoca excesso de fluido no corpo. Em certas doenças do fígado e dos rins, reduzidos coeficientes de albumina no sangue são capazes de contribuir para a concentração de líquido. Edema de origem não conhecida (edema idiopático) acontece particularmente em mulheres. A quantidade excessiva de líquido que acumula-se nos pulmões é chamado de edema pulmonar. O excesso de líquido que acumula-se no abdome é denominado como ascite.
As condições ambientes mais comuns que causam edema são varizes e tromboflebite que é a inflamação das veias salientes das pernas. Essas condições podem gerar bombeamento inapropriado do sangue por intermédio das veias (deficiência venosa). O crescimento decorrente da contrapressão nas veias força a permanência dos líquidos nas bordas (especialmente os tornozelos e os pés). A quantidade excessiva de fluido, em seguida, provoca vazões nos espaços do tecido intersticial, ocasionando edema.

Como curar o inchaço das pernas

A terapia para edema ou inchaço nas pernas constitui-se em tratar das condições subjacentes, reduzir a ingestão de sal, usar meias de pressão, aumentar as bordas e, eventualmente, utilizar diuréticos (medicamentos que induzem a micção), conforme prescrição médica.

Categorias: Corpo Humano